Rachel Sheherazade, do SBT, pode responder na Justiça por apologia ao crime

06/02/2014 16h32 - Atualizado em 06/02/2014 16h32

Fonte: Pure People

 

O SBT e a jornalista Rachel Sheherazade, apresentadora do "SBT Brasil", poderão responder na Justiça por apologia ao crime. O Partido Socialismo e Liberdade (PSol) vai formalizar no Ministério Público uma representação contra a emissora e a âncora por causa da polêmica opinião que ela emitiu no telejornal sobre o caso envolvendo um grupo que puniu um menor infrator no Rio de Janeiro.

Na noite última sexta-feira (31), um adolescente foi espancado e preso nu pelo pescoço a um poste através uma trava de bicicleta por um grupo de homens no Aterro do Flamengo, na Zona Sul da capital fluminense. O jovem é acusado de praticar roubos e furtos na região. Ele só foi libertado depois que uma moradora do bairro chamou os bombeiros.

Com a notícia, Rachel Sheherazade, que ficou conhecida por causa de suas opiniões fortes, deu o seu parecer sobre o fato, na edição de terça-feira (4) do "SBT Brasil".

"O marginalzinho amarrado ao poste era tão inocente que, ao invés de prestar queixa contra seus agressores, preferiu fugir antes que ele mesmo acabasse preso. É que a ficha do sujeito está mais suja do que pau de galinheiro", disse a jornalista.

"No país que ostenta incríveis 26 assassinatos a cada 100 mil habitantes, que arquiva mais de 80% de inquéritos de homicídio e sofre de violência endêmica, a atitude dos vingadores é até compreensível. O Estado é omisso, a polícia é desmoralizada, a Justiça é falha. O que resta ao cidadão de bem que, ainda por cima, foi desarmado? Se defender, é claro", continuou.

"O contra-ataque aos bandidos é o que chamo de legítima defesa coletiva de uma sociedade sem Estado contra um estado de violência sem limite. E, aos defensores dos Direitos Humanos, que se apiedaram do marginalzinho preso ao poste, eu lanço uma campanha: faça um favor ao Brasil, adote um bandido", encerrou Rachel.

Para o líder do PSol na Câmara dos Deputados, Ivan Valente (SP), o SBT e a jornalista fizeram apologia ao crime em horário nobre. "Defendo total liberdade de imprensa, mas não a liberdade para mandar torturar, matar, assassinar e fazer justiça com as próprias mãos", opinou o político em nota divulgada à imprensa.

"Ser anticonstitucional, ilegal e aplaudida, para quê? Atrás do ibope, atrás do medo da população, da marginalidade, atrás daquilo que não se investe em saúde, em educação, em mobilidade urbana, em resposta à pobreza que está aí", concluiu.

Seja o primeiro a comentar!

Envie seu Comentário!

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 
 
 

Newsletter